Poema da Alice Ruiz

o corpo cede
letras se sucedem
um verso doido aparece

morrem todas as sedes
movem-se pedaços de preces
sobe-se por onde se desce

(Alice Ruiz)

Ganhei 4 margaridas!

Dauri Batisti disse...

O corpo escreve
os pedaços de
uma vida
sempre

in
com
pleta. A sede vem

do sonho
de iluminar toda a sala, mas

o poema sempre acaba

e no fim
do último verso,
não há como ser diferente,
sombreado, sempre aparece

um outro pedaço.


Beijo

Iúna disse...

Vim pegar minha margarida, e me deliciei com seus textos, sobretudo o que fala dos caras que tudo querem, mas nada querem.
Talvez ele nem esteja jogando, seja apenas mais um medroso, que não sabe o que fazer para ganhar uma mulher linda e inteligente, daí a necessidade de contar vantagens.
mas esta é apenas uma possibilidade, dentre muitas, só dá pra saber tentando, e isso só vc decide se faz ou não.
bjs

Vanessa disse...

E assim, um amor aparece!

Saudades daqui mulher!
Promete agora que voltarei mais vezes.

Beijos

Thito disse...

Voltou?
Ou nunca deixou de estar aqui de verdade??

Beijos