Não sobre o amor...

"Todas as palavras boas estão pálidas de exaustão. Flores, lua, olhos, lábios. Eu gostaria de escrever como se a literatura nunca tivesse existido. Eu não consigo. A ironia devora as palavras. É a maneira mais fácil de superar a dificuldade de se descrever as coisas." (Victor Chklovsky)


Quem tiver a continuação desse texto (Zoo ou Letters Not About Love) em português, por favor, mande pra mim!

Ganhei 11 margaridas!

Daniel disse...

Acredito que a literatura, antes de ser escrita para os outros, tem de ser escrita para si. É o autor que fará um texto, com ou sem lirismo, irônico ou em contexto, poetico ou "em catase...". A escrita tem de ser algo egoista, para no final, tornar-se autuísta. Postei um poema no O Arroto. Bjus e boa semana.

http://o-arrotoooo.blogspot.com

http://so-pensando.blogspot.com

Jana disse...

ihh eu infelizmente não tenho!

Beijos

Tatá Ninômia disse...

Não tem como não ser tocada por esse texto, né?

De alguma forma eu sabia que você iria postar alguma coisa sobre ele.

Pois é... bom demais.

Bjo.

Fernando Rozano disse...

quando estudei Literatura, meu professor sempre repetia que tudo já foi dito e escrito, o que muda é a forma, a estética, etc. escrever é um ato solitário, árduo, de muita transpiração, mas certamente de muito prazer. é também através da escrita, pouco importa o gênero, que podemos compreender e pensar melhor a vida, o mundo, as pessoas e a si mesmo. e, quem sabe, estabelecer outros vínculos culturais, sociais, antropológicos e mesmo políticos. enfim, que a escrita seja cada vez mais presente em nossas vidas. beijo, e feliz semana Graziele. (a saudade...escrevo muito sobre a memória, sobre o esquecimento, talvez esteja aí um pouco do que falaste em teu comentário. gosto de tua presença por lá)

Thito disse...

Ter eu não tenho (na verdade nem sei de quem se trata). Mas já estou procurando.

Beijos

Renato Alt disse...

"Eu gostaria de escrever como se a literatura nunca tivesse existido."

Maravilhoso. Também quero a continuação do texto...

bjs...

F. S. Júnior disse...

tudo já foi dito de certa forma... tudo...

F. S. Júnior disse...

Por que meus textos parecem um espelho?
Talvez Caetano explique, se for o caso (rs), "é que Narciso acha feio o que não é espelho" =D

Thiago dos Reis disse...

Que lindo texto..

Vou procurar a continuação..

Daniell Rezende disse...

Chegou a ver peça baseada nesse livro? É genial.

(Aliás, gostei do blog. Voltarei sempre.)

Graziele Alencar disse...

Daniell Rezende,

Postei "Não sobre o amor" logo depois de assistir à peça, que é maravilhosa mesmo! Fiquei apaixonada pelo texto, pelo cenário e os atores são muito bons também!
Eu havia estudado Chklovsky na faculdade, mas como teórico e não o conhecia como fazedor de literatura. Foi uma ótima surpresa! É uma pena que não temos uma edição em português pra essa obra ainda.
Fico, então, com um gostinho de quero mais!

Ah! o seu perfil não permite acesso. Deixa o endereço do seu blog depois.

Obrigada pela visita!